Páginas

Faz tanto tempo...

Querido Pai que estás no Céu...
Venho lembrá-Lo de minha existência e dizer que estou viva... E não te esqueci...
Meu mundo tá confuso...
Algumas horas penso que estou fazendo a coisa certa, me sinto segura quanto ao que faço, mas em outras eu penso um pouco e me pergunto: "o que eu tô fazendo aqui? Porque estou fazendo isso?".
Enfim...
Te quero do meu lado, Senhor...
Quero sentir aquele calorzinho que antes sentia em meus momentos de oração... Quero saber da tua companhia e não duvidar dela de novo...
Quero-te ao meu lado...
Por que sei que o importante é te ter junto e não outra coisa...
Sei que tua companhia é que importa...
E sei que devo seguir apenas a ti... Não religiões e igrejas... Não pastores ou padres...
Apenas Tua palavra me importa e eu quero ouvi-la de novo...
Amém...

Aprendi com The Sims... - CELULAR

Baixei The Sims pro meu celular e aprendi muita coisa. 
Como o quê???
Ah, eu como frango, pastéis, sorvete...
Aprendi que preciso entender de idiomas, culinária, sabedoria do mundo... e, o mais importante: eu tenho que fazer trique-trique com pelo menos 10 sims diferentes para ser alguém no mundo.
Outra coisa importante: dinheiro não traz felicidade. Quando se tem tudo o mundo perde a graça e foi assim com o The Sims do meu celular...

Homem Perfeito

Não existe homem fiel. Você já pode ter ouvido isso algumas vezes, mas afirmo com propriedade. Não é desabafo. É palavra de homem que conhece muitos homens e que conhecem, por sua vez, muitos homens. Nenhum homem é fiel, mas pode estar fiel (ou porque está apaixonado (algo que não dura muito tempo - no máximo alguns meses - nem se iluda) ou porque está cercado por todos os lados (veremos adiante que não adianta cercá-lo (isso vai se voltar contra você)..A única exceção é o crente extremamente convicto.Se você quer um homem que seja fiel, procure um crente daqueles bitolados, mas agüente as outras conseqüências.
Não desanime. O homem é capaz de te trair e de te amar ao mesmo tempo. A traição do homem é hormonal, efêmera, para satisfazer a lascívia. Não é como a da mulher. Mulher tem que admirar para trair; ter algum envolvimento. O homem só precisa de uma banda. A mulher precisa de um motivo para trair, o homem precisa de uma mulher.
Não fique desencantada com a vida por isso. A traição tem seu lado positivo. Até digo, é um mal necessário. O cara que fica cercado, sem trair, é infeliz no casamento, seu desempenho sexual diminui (isso mesmo, o desempenho com a esposa diminui), ele fica mal da cabeça. Entenda de uma vez por todas: homens e mulheres são diferentes. Se quiser alguém que pense como você, vire lésbica (várias já fizeram isso e deu certo), ou case com um gay enrustido que precisa de uma mulher para se enquadrar no modelo social. Todo ser humano busca a felicidade, a realização. E a realização nada mais é do que a sensação de prazer (isso é química, está tudo no cérebro).
A mulher se realiza satisfazendo o desejo maternal, com a segurança de ter uma família estruturada e saudável, com um bom homem ao lado que a proteja e lhe dê carinho. O homem é mais voltado para a profissão e para a realização pessoal e a realização pessoal dele vêm de diversas formas: pode vir com o sentimento de paternidade, com uma família estruturada etc. Mas nunca vai vir se não puder ter acesso a outras fêmeas e se não puder ter relativo sucesso na profissão.
Se você cercar seu homem (tipo, mulher que é sócia do marido na empresa), o cara não dá um passo no dia-a-dia (sem ela) você vai sufocá-lo de tal forma que ele pode até não ter espaço para lhe trair, mas ou seu casamento vai durar pouco, ele vai ser gordo (vai buscar a fuga na comida) e vai ser pobre (por que não vai ter a cabeça tranqüila para se desenvolver profissionalmente (vai ser um cara sem ambição e sem futuro).
Não tente mudar para seu homem ser fiel. Não adianta. Silicone, curso de dança sensual, se vestir de enfermeira etc... Nada disso vai adiantar. É lógico que quanto mais largada você for, menor a vontade do homem de ficar com você e maior as chances do divórcio. Se perfeição adiantasse, Julia Roberts não tinha casado três vezes. Até Gisele Bündchen foi largada por Di Caprio. Não é você que vai ser diferente (mas é bom não desanimar e sempre dar aquela malhadinha).
O segredo é dar espaço para o homem viajar nos seus desejos (na maioria das vezes, quando ele não está sufocado pela mulher, ele nem chega a trair, fica só nas paqueras, (troca de olhares). Finja que não sabe que ele dá umas pegadas por fora. Isso é o segredo para um bom casamento. Deixe ele se distrair, todos precisam de lazer.
Se você busca o homem perfeito, pode continuar vendo novela das seis. Eles não existem nesse conceito que você imagina. Os homens perfeitos de hoje são aqueles bem desenvolvidos profissionalmente, que traem esporadicamente (uma vez a cada dois meses, por exemplo), mas que respeitam a mulher, ou seja, não gastam o dinheiro da família com amantes, não constituem outra família, não traem muitas vezes, não mantêm relações várias vezes com a mesma mulher (para não criar vínculos) e, sobretudo, são muuuuuito discretos: não deixam a esposa e nem ninguém da sua relação, como amigas, familiares saberem.
Só, e somente só, um amigo ou outro dele deve saber, faz parte do prazer do homem contar vantagem sexual. Pegar e não falar para os amigos é pior do que não pegar. As traições do homem perfeito geralmente são numa escapolida numa boite, ou com uma garota de programa (usando camisinha e sem fazer sexo oral nela), ou mesmo com uma mulher casada de passagem por sua cidade. O homem perfeito nunca trai com mulheres solteiras. Elas são causadoras de problemas. Isso remete ao próximo tópico.

Esse tópico não é para as esposas, é só para as solteiras e amantes.

Esqueçam de uma vez por todas esse negócio de que homem não gosta de mulher fácil. Homem adora mulher fácil. Se 'der' de prima então, é o máximo.Todo homem sabe que não existe mulher santa. Se ela está se fazendo de difícil ele parte para outra. A oferta é muito maior do que a procura. O mercado está cheio de mulher gostosa. O que homem não gosta é de mulher que liga no dia seguinte. Isso não é ser fácil, é ser problemática (mulher problema). Ou, como se diz na gíria, é pepino puro. O fato de você não ligar para o homem e ele gostar de você não quer dizer que foi por você se fazer de difícil, mas sim por você não representar ameaça para ele.Ele vai ficar com tanta simpatia por você que você pode até conseguir fisgá-lo e roubá-lo da mulher. Ele vai começar a se envolver sem perceber. Vai começar a te procurar. Se ele não te procurar, era porque ele só queria aquilo mesmo. Parta para outro e deixe esse de stand by. Não vá se vingar, você só piora a situação e não lucra nada com isso. Não se sinta usada, você também fez uso do corpo dele – faz parte do jogo; guarde como um momento bom de sua vida.
90% dos homens não querem nada sério.Os 10% restantes estão momentaneamente cansados da vida de balada ou estão ficando com má fama por não estarem casados ou enamorados; por isso procuram casamento. Portanto, são máximas as chances do homem mentir em quase tudo que te fala no primeiro encontro (ele só quer te comer, sempre). Não seja idiota, aproveite o momento, finja que acredita que ele está apaixonado, dê logo para ele (e corra o risco de fisgá-lo) ou então nem saia com ele. Fazer doce só agrava a situação. Estamos em 2007 e não em 1957. Esqueça os conselhos da sua avó, os tempos são outros.
Para ser uma boa esposa e para ter um casamento pelo resto da vida faça o seguinte:Tente achar o homem perfeito, dê espaço para ele.Não o sufoque. Ele precisa de um tempo para sua satisfação. Seja uma boa esposa, mantenha-se bonita, malhe, tenha uma profissão (não seja dona-de-casa), seja independente e mantenha o clima legal em casa. Nada de sufocos, de 'conversar sobre a relação', de ficar mexendo no celular dele, de ficar apertando o cerco etc. Você pode até criar 'muros' para ele, mas crie muros invisíveis e não muito altos. Se ele perceber ou ficar sem saída, vai se sentir ameaçado e o casamento vai começar a ruir.
Se você está revoltada por este texto, aqui vai um conselho: vá tomar uma água e volte para ler com o espírito desarmado. Se revoltar com o que está escrito não vai resolver nada em sua vida. Acreditar que o que está aqui é mentira ou exagero pode ser uma boa técnica (iludir-se faz parte da vida, se você é dessas, boa sorte!). Mas tudo é a pura verdade. Seu marido/noivo/namorado te ama, tenha certeza, senão não estaria com você, mas trair é como um remédio; um lubrificante para o motor do carro. Isso é científico. O homem que você deve buscar para ser feliz é o homem perfeito. Diferente disso, ou é crente, ou gay ou tem algum trauma (e na maioria dos casos vão ser pobres). O que você procura pode ser impossível de achar, então, procure algo que você pode achar e seja feliz ao invés de passar a vida inteira procurando algo indefectível que você nunca vai encontrar. Espero ter ajudado em alguma coisa.

(Arnaldo Jabor)

P.s: muitos declaram que esse texto é machista. Pelo que entendi ele fala de homens que traem, falam que não, mas traem de alguma forma... E isso é verdade. Por isso o publiquei.

2 anos atrás...

Fazem 2 anos hoje que deixei de ser BV!
Uhuh!...
Data comemorativa... Devia ser feriado já que demorou tanto!
Pena que não foi com a pessoa certa... Pena que quando não deu certo o cara não quis ser meu amigo de verdade... Pena que se eu não o beijasse 2 pessoas iriam me internar... Pena que eu ci no golpe e beijei...
Sabe, foi um dia com que sonhei muito... Mas, não com a pessoa com quem eu sonhava, do jeito que eu sonhava e onde eu sonhava...
Foram 21 anos e 11 meses de sonhos de uma BV jogados no lixo, lavados com baba de um cara estranho...
Poderia ser meu amigo, eu falaria com mais respeito do fatídico dia...
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Todo domingo...

Todo domingo a tarde eu sento em frente a esse computador, boto uma música e tento escrever 8 postagens... Antigamente, eu só fazia isso quando a postagem era especial, e era só pra uma. Mas já tem 3 semanas que venho fazendo assim pra semana toda, pois não tenho muito tempo pra escrever no decorrer da semana. 
Quando surge algo novo, eu escrevo e, se não fica duas postagens pro mesmo dia, eu adio alguma.
No começo pensei mesmo em escolher umas postagens bem antigas e jogá-las aqui, porque sei que ninguém perceberia... Mas eu sinto prazer em ver o número de postagens aumentando... O chato é que a semana fica meio temática... Porque eu apenas acho que tô falando de mais e continuo no dia seguinte!
Desde que eu descobri que tem uma galera que lê o que eu escrevo (e que agora eu tô recebendo menos comentários do meu namorado e muitos comentários de estranhos...)... Eu me sinto mais motivada pra sentar aqui, ouvir Trevisan cantando que um sonho é como um filho (♫ou você cria, ou é mais um no mundo♪).
Mas agora deu preguiça... Acho que vou ali terminar o livro que, se eu não tivesse uma prima enchendo meu saco pra assistir comigo CSI INVESTIGAÇÃO CRIMINAL (como ela fala, assim mesmo, gritando, quando eu entro em casa com o zóio quase fechando de tanta dor de cabeça... Vou sentir saudade dela)...
Que música é essa????
Ah, Maluco beleza!!!
Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Beijo!
Até amanhã!
E eu sigo...
♫ Controlando a minha maluquez,
misturada com minha lucidezzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz...
Eu voooooooooooooooooooooou ficaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaar... Ficar com certeza Maluco Beleza....♪


Silêncio

Aqui, dia 7 de agosto de 2009! Eu escrevi que eu tava feliz... Porque depois de uma briga, finalmente, ele tinha reagido... Normalmente ele ficava calado e me deixava ir embora, ou ia embora também, mas nesse dia eu tava feliz porque ele não apenas foi atrás de mim, como me abraçou, enxugou minhas lágrimas e disse: “eu não poderia deixar minha esposa ir embora sozinha”...
AAAAAAAAAAAaaaaahhhhhhhhhhhh.... <3
Eu escrevi: “que isso não seja apenas uma fase, Senhor, que seja apenas o começo da realização de nossos sonhos, porque se ele quer e eu também... É o começo, né?”.
Aí, eu explico que às vezes eu esperava uma reação dele a algo que eu sentia, e ele ficava em silêncio e que isso me perturbava, me fazia pensar que ele não queria a mesma coisa que eu queria e buscava em nosso namoro... Eu tô muito romântica?
“Eu nunca estive pronta para me entregar completamente (ao namoro, não pensem besteiras!)... Negar quem sou, minhas manias e defeitos... Há sempre uma parte de mim que escondo das pessoas, mas que demonstro, de certa forma, pra ele... O medo de que não dará certo ainda me acompanha...”
Ele perguntou qual era meu maior medo e eu, como sempre fazia quando não tinha coragem pra falar, escrevi na agenda: “falar besteira, o que eu não penso, nem sinto, e causar o fim de algo que tem tudo para ser bonito... Meu maior medo é que termine... antes ou depois da realização de nossos sonhos... Eu não quero o fim”... 
Enfim... Isso eu repito até hoje...

Oração pequena e confusa...

Senhor,
Sinto-me confusa com a volta de sonhos que há tempos não tinha... Parece que são tão reais que me perturbam... Há um tempo pedi para parar de tê-los por sentir que interferiam na minha realidade.
Hoje eles estão se repetindo e me deixando confusa...
Não te pedirei de novo para não tê-los, mas peço que não me deixe cegar jamais...
Amém!

Saudade do Aécyo...

O Aécyo é o amigo mais estranho que tenho. Vive dizendo que me ama, mas não aparece lá em casa há muito tempo. Acho que tem mais de 1 ano que eu não o vejo. 
Eu o conheci no Adventista, na Biblioteca (nosso lugar preferido... Ah, se aquelas prateleiras falassem, a gente tava ferrado até hoje, porque era tanta fofoca e tanto veneno... (Cês pensaram que era outra coisa, né?).
O Aécyo é o meu amigo gay, na verdade era. Porque hoje se eu estiver solteira e ele deixar, eu pego certo! Lembro que a gente ia pra biblioteca só pra conversar (na verdade, eu levava todo mundo pra conversar na biblioteca! Como eu arrumava as estantes, eu tinha passe livre... A tia trancava a biblioteca na hora do recreio, mas ela abria pra mim... kkkkkkkkkkkkkkkkkk Era lá que eu matava aula de religião, que eu ficava na hora da capela, que eu ia na hora da Educação Física!).
Uma vez a gente fez uma promessa a la O casamento do meu melhor amigo. Se chegássemos aos 28 anos solteiros, a gente casava. O amor de Aécyo por mim é tão grande que, quando sai do Adventista, ele passou a somar 10 anos cada vez que nos encontrávamos. Acho que hoje, no que depender de Aécyo, se eu e ele estivermos solteiros com 500 anos, aí nos casamos.
Quando perguntei porque disso, ele disse que eu me iludo facilmente, que nosso caso é apenas sexo-sexo-sexo... Meu hímen tá aqui, tá? 

Eu tô emocionada...

Gente, tenho 40 seguidores e uma galera que não me segue lê o blog e, embora não comentem aqui, me matam de vergonha querendo conversar sobre minhas postagens pessoalmente... Galera, se não deu pra notar, eu sou tímida... 
Duas coisas que me matam de vergonha: falarem de mim e do que eu escrevo quando estou de corpo presente. 
É muito bom ver que todos gostam do que escrevo (até agora não recebi nenhum comentário negativo sobre o que escrevo, apenas criticaram o layout, mas depois que eu “reformei” recebi muitos elogios... Minto, uma pessoa disse que meus pensamentos eram insignificantes, mas não escrevo para quem acha meus pensamentos insignificantes, comecei escrevendo pra quem gostava de marocar minha agenda, tanto que minhas primeiras postagens são apenas coisas da minha agenda, pode ler lá!).
Professores já falaram dele em sala de aula (eu fiquei quase pra chorar quando a professora falou que andou vendo meu blog... Como daquela vez em que Tia Socorro leu minha redação na 3ª série) e eu recebo até emails de outros professores pedindo que eu publique algumas coisas aqui! E é muito bom quando alguém grita “Ei, Bibliotecária Escandalosa!”... Eu morro de vergonha, mas é bom!
Enfim... Tô emocionaada...
Muito obrigada a todos que vem aqui, expõe opiniões, ou que falam comigo do além no MSN, ou gritam meu “nome” nos corredores da vida... Muito obrigada aqueles que convivem diariamente (e numa boa) com meus erros ortográficos e gramaticais... É em nome de vocês que ainda tô aqui escrevendo, um pouco sonolenta...
Beijo!

>>[Sol]<<

Apelidos...

Eu sempre tive vários apelidos... E vim aqui tentar desvendar o mistério que cerca os que eu lembro. Se alguém aí se lembrar de mais algum, grita que eu falo sobre ele.
BAÚA: meu pai me chamava assim porque quando eu era muito pequena (menor até do que sou hoje) eu vivia querendo e pra rua e chorava “qué i baúa....”.
BIBLIOTECÁRIA ESCANDALOSA: bom, esse tem um pouco mais de 2 anos. Não é exatamente um apelido, isso acabou se tornando apelido com a mudança do nome do blog pra isso (antes era “As histórias de minha vida, os micos que paguei e os foras que levei” e o endereço era solcavalho86.blogspot.com, como não pegou, eu mudei título e endereço). Bibliotecária Escandalosa era como a Fernanda me chamava quando me via na biologia (pra quem não lembra, entre 2007 e 2008 eu estudava na biologia kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Estudava os biólogos...). Ela me dizia que eu era escandalosa demais pra ser bibliotecária. Dizia que meu sonho era ser bióloga e me chamava de Biobibliotecária também. Hoje onde
vou dizem “Ei, Bibliotecária escandalosa!”. Eu fico muito tímida sempre... Mas me sinto uma celebridade (musiquinha...)
VOVÓ URANAE: Foi uma pelido do pessoal do ensino médio lá no Adventista. Culpa do Aníbal que cismou que eu parecia aquela bruxinha de Dragon Ball Z. Aí começou a variação: Vovó (porque eu parecia com a vó de todo mundo), Vóooooooo, Vovoxinha (porque eu parecia uma velha e era baixinha).
SOL: esse é o maior mistério! Meu nome é Soraya (mas, com o excesso de Sol, uma galera me chama de Solange e eu fico sem graça de corrigir porque aí eu teria que passar horas tentando explicar! A primeira pessoa que me chamou de Sol foi Luana, uma guria que estudava comigo na 5ª série. Ela também me chamava de Só e Sozinha, porque eu era tão isolada da turma que todo mundo achava que eu era muda (eu sei, é difícil de acreditar...). Eu criei uma teoria! Minha assinatura tentava imitar a assinatura da minha irmã que dava uma volta pra cima (até hoje é a minha é assim, não sei a dela) e fica, de fato parecendo um “L”. Eu assino “So” na verdade. Outras variações do meu nome são SOA (usado pela Mann e pelo Duriaux, que achou sem sentido o meu apelido ser Sol se meu nome não tinha “L”), SOINHA (como minha mãe me chama), SOSÓ (como meu paipai me chama), e MON SOLEI (muitos dos meus amigos me chamam de “meu Sol” e agora me chamam de “mon Solei” vai saber porque... Talvez porque eu ODEIO francês!), etc.
VASSOURA: esse nasceu na 5ª série. Um guri disse que meu cabelo parecia uma vassoura. Aí começaram a fazer paródias de uma musiquinha de uma propaganda de xampu (♫Vassoooooooooooooooooooooura... Xuá, xuá...♪). Uma variação desse é Vassoraya (essa foi do Guii... <3).
SOLNOLENTA: esse foi na época em que eu trabalhava na PPPG (tinha também o “Garota PPPG”). A gente tava no Fórum de Pós-Graduação no Abbeville e eu tava quase dormindo... Pensa. Um domingo, depois de uma semana inteira trabalhando e estudando, depois do almoço, eu cochilei. Aí Dona Coisa (eu sempre esqueço o nome dela) me acordou com um berro dizendo que eu tava dormindo. E eu dizia que não. E ela disse que eu estava sim, que tava até sonolenta... E eu disse “Sol não lenta”... Daí, ficou ela me chamando de Solnolenta.
Acho que expliquei tudo, né?
Se vc, caro amigo leitor, acha que eu esqueci algum e não sabe comentar no blog (porque tem gente que tem Orkut, mas não me segue nem comenta porque acha que não tem conta Google, pode?), mande um email para solcarvalho86@gmail.com. 
Pode também sugerir temas para postagens, pois se não deu pra perceber, eu tô sem inspiração!
Para mais perguntas: formspring.me.com/solcarvalho

Continuando o de ontem....

Tem também minhas cartas para o Aécyo e para a Patrícia... Até ano passado, eu cheguei a ler minhas cartas para Patrícia, mas as de Aécyo eu cobro a tanto tempo que sinceramente eu acho que elas foram pro Céu! ( ou para o inferno, porque eu era tão venenosa... Não, acho que o veneno só corria seguro nas cartas da Mann...) 
Tem tanta coisa que escrevi que eu perdi e que queria postar aqui e que dá até vontade de chorar... O Clássico “Se você for o Guii, eu te amo muito e te procuro a um tempão. Se você não for o Guii, ignore isso completamente que não é nada para você!”. 
Ou os Haraquiris citados nas cartas da Mann... Eu descobri o do haraquiri num livro de Érico Veríssimo (Incidente em Antares) que peguei emprestado do Aécyo e, como ele não me devolveu o meu Linha do Tempo, não devolvi. Enfim... As longas Playlists (é assim que se escreve?)... Assim que aprender eu boto música aqui no blog.... Acho ele muito silencioso para o Blog de uma menina (eu sou menina sim!) escandalosa como eu... 

Gripadinha...

Estou eu, aqui, catarrenta... Tentando garantir pra quem me lê (essa foi horrível!) um blog atualizado nem que seja com minhas perturbações a Cristo (sim, estou falando das minhas orações que a mais de 1 ano não são aqui registradas) e a São Longuinho ( O santo das coisas perdidas... Acho que ele só não recupera hímem... Alguém aí perdeu o seu pra tentar e dar o seu testemunho aqui no blog?).
Hoje na verdade é domingo (não, hoje é domingo mesmo! Eu só atualizo meu blog no domingo!) e o que você está lendo agora, umas três pessoas, no mínimo, já leram... É que eu sou insegura e tenho uma equipe de pessoas que julgam se é prudente ou não me expor tanto...
Eles sempre dizem que não, mas quando lêem acham legal eu divulgar, vai entender...
Eu queria divulgar mesmo eram minhas cartas para o Guii, mas ele jogou todas fora... Ele não é romântico, que droga! As cartas para o Guii são (eram) minhas pérolas bibliográficas (será que eu posso chamar assim????). Lá eu falava de tudo, no intervalo entre os “casa comigo” e “me dá um filho”... Mas, eu era mais discreta... Eu dizia: “Guii, eu sempre quis ter um filho bonitinho, baixinho e gordinho como você... Daí eu
pensei: ‘porque não fazer esse filho com você? ’!”
Viu, eu era discreta! Outra:
“Eu li uma vez na revistinha da Turma da Mônica que nossa vida só é completa se escrevermos um livro, plantarmos uma árvore e fizermos um filho. Vâmo dividir as tarefas: eu escrevo um livro, vc, que quer ser botânico, planta a árvore e juntos fazemos o filho”. 
Enfim, eu sempre fui muito discreta paquerando o Guii...
Quem se divertia muito com minhas investidas era a Mônica... O Aécyo gostava mesmo era dos foras que ele me dava. O mais citado pelo Aécyo é o “eu não vou espalhar os meus genes por aí”...
to be continued... 

Belos sonhos...

O Cawell (Carlos Wellington) pediu que eu contasse o sonho bizarro que eu tive com ele... Mas ele já tá ficando um pouco apagado da minha memória... O que lembro é que estava na UFMA, sem andar, morrendo de pânico naquele caminho do CCSo para a biblioteca e vi vários sapinhos parecidos com aqueles sapinhos de borracha que vende nas Lojas Americanas ( só faltou o preço pra dizer que eu tô fazendo propaganda!)... Eram bem pequenos, amarelo e vermelho e vermelho com bolinhas amarelas (♫era um sapinho de bolinha amarelinha tão pequenininho...♪)... Só que, quanto mais eu andava, mais o sapinho de borracha inchava... E, vendo o meu pânico ele, Cawell, veio em meu socorro... Lindo... Trajando aqueles bermudões que ele usava quando entrei na UFMA (UAU! O nosso.... <3)...
E o mais legal de tudo, é que baixando pra matar o sapo ele nos deixou ver o cofrinho...
Uau... rsrsr
Aiai...
Foi lindo, tá meu bem?!

Pé frio...

Primeiro o computador em que trabalho empaca, fazendo com que eu perca todos os arquivos de meu trabalho. Começo a trabalhar no computador dos alunos e tudo estava indo bem. Depois, convidada a ficar no outro computador da secretaria, o que sobrou, ao meter meu pen drive, infectado com o vírus da xerox, eu infectei todos os arquivos da secretaria e tive que correr pra salvar o que poderia ser salvo. 
Depois, para piorar meu estresse, meu namorado me liga avisando (como se eu já devesse saber) que não irá me encontrar... Com o estresse do dia, e mais essa, imagina a zuada que fiz por nada, né? 
Nada? Ser sempre esquecida é chorar por nada? 
O mais chato é que o Guii me mandou uma mensagem querendo saber se podia ir me ver, a Talita mandou uma mensagem querendo saber se podia passar no mestrado e eu não vi nada disso porque deixei o celular do lado do meu computador original... 
Enfim...

Tô garrando um ódio...

Ele não sabe o que quer e me confunde...
Algumas vezes me pergunto porque voltou se não parece ser bem o que queria... Se assim fosse acho que ele não seria tão indiferente quanto a algumas coisas...
Quando eu era pequena, eu falava que ia ter o homem no chinelo, como dizem...
Mas, descobri que na verdade eu sou um pouco descontrolada...
E, depois que eu descobri que eu existo, eu passei a odiar o fato de que algumas pessoas podem me esquecer... Eu sei o quanto isso pode parecer infantil, mas é a vida... Sou eu...
Eu gosto de estar com ele, gosto muito... Perco o chão só de pensar que pode ser de outra forma... Mas está muito difícil agora.... :(

Eu sou violenta, Amanda!

Quando a porcaria da minha prima (que está lendo o que eu estou escrevendo) começou a nascer dente, ela me mordia... Podia estar no braço de qualquer pessoa, mas bastava me ver, tacava o d... gengivão no meu braço e como doía...
Um dia, farta dessa atividade dela eu gritei: “me morde de novo e eu te mato, pequena!”...
Ela ainda tá viva...

EQM

Sabem o que é EQM, né? 
Pois bem, serei uma tia boazinha e direi: Experiência de Quase Morte! 
Tive várias! 
E uma mais doida do que a outra... 
Teve uma, no ano novo, em que uma mulher parou um carro bem em cima de mim... Sai correndo e esqueci a fita de meu vestido branco... Uma dedo-duro disse pra ela onde eu morava e ela parou justamente lá em casa... Se não morri com a %$#@ do carro em cima de mim, quase me fui com ela berrando que na próxima vez que me encontrasse na rua passaria por cima ( e sempre que a via na rua, eu saia da calçada! kkkkkkkkkkk). 
Outra foi, de novo, na Ilha rala. 
Eu brincava, inocentemente no açude do vizinho, quando a bola que eu jogava com meus primos caiu embaixo da ponte (a la filme americano) que meus tios fizeram. Fui lá pegar e... (Música de psicose ou de tubarão) meu cabelo ficou preso em um prego. E eu, que só devia “nadar” até lá pra pegar a %$#@ da bola, fiquei presa. E minha prima gritava que eu ia morrer, mas ninguém viu, graças a Deus... Porque se mamãe soubesse o que aconteceu, ela me mataria. 
A mais famosa de todas é a da inauguração da piscina do Adventista. Eu fui lá, em um domingo, assistir a competições e sofrer por não poder nadar. Aí, recebi a notícia “tão falando que vão liberar a piscina, vâmo em casa pra vestir biquíni e depois voltar?” disse Natália na sua inocência de que eu sabia nadar. 
Eu tinha 13 ou 14 anos... Fui em casa, vesti o biquíni e voltei. 
Natália pulou! Laís pulou! Eu pulei... 
Só que, diferente delas, eu não sabia nadar, nem boiar ( o que é natural, já que eu não sou bosta! [piadinha de 6ª série...])... Afundei... E a piscina era funda pra caramba... Pulo, pulo, pulo... E nada de eu alcançar o ar... Pulo, pulo, pulo... E cadê o ar? Abri os olhos (♫não consigo mais fechar! Assisto em silêncio até o que eu não quero enxergar...♪)... Só vi uma mancha azul bem na minha frente e me apoiei nela com tudo pra subir... Tratava-se da parte de baixo do biquíni de Laís... Enquanto eu, envergonhada, agradecia por ela ter salvo minha vida, ela apenas dizia “eu quero morreeeeeeeeeeeeeeeeeeer...”.

Antes e depois de vê-los

Era só pra contar a minha mutação diante de alguma coisa de que tenho muito medo.
O terreno do meu pai (Ilha Rala, o terreno dos açudes, já citado...) é cortado por um igarapé (aprendi isso do “é cortado” em minhas aulas de geografia... Só não lembro o quê cortava o quê!). Quando eu era menina (não que eu não seja mais, é que tenho certa idade...) eu costumava banhar nessas coisas, “nadar” como eu gostava de dizer... E era muito alto lá de baixo pra sair... Eu, gorda (perto das minhas irmãs apenas), demorava uma vida pra sair lá de dentro... Um dia Seu coisa (não lembro o nome dele, juro... O cara que trabalhava lá) deixou cair um negócio lá dentro e eu fui, com toda a minha dificuldade de criança obesa (perto das minhas irmãs), ajudá-lo. Quando desci o que eu olho? Um sapo ENORME! Inchado como eles ficam quando querem assustar, coisa que eles fazem sem artifício comigo... Cara, você precisava tá lá pra ter noção de como eu subi, corri e cheguei em casa rápido... Nem eu acreditei... Foram segundos pra realizar a mesma tarefa!
É sério, experiências própria, a gente sempre faz as coisas bem rápido diante de experiências traumáticas!
Um pouco mais nova... Pequena mesma... Daquele tamanho em que você senta no vaso e segura com as duas mãos por medo de cair e, como se fosse pouco, fica com as pernas bem penduradas, com medo de escorregar e melar todo vaso com aquilo... Entenderam?
Pois é, eu era desse tamanho e tava fazendo aquilo com dificuldade quando vi um rato ENORME na porta do banheiro (que ficava aberto pro caso de eu cair dentro do vaso...)... O que eu posso dizer?
Bom, desceu rapidinho!

NADA COMO O TEMPO

Com o tempo, você vai percebendo que para ser feliz com uma outra pessoa, você precisa, em primeiro lugar, não precisar dela.
Percebe também que aquele alguém que você ama (ou acha que ama) e que não quer nada com você, definitivamente não é o "alguém" da sua vida.
Você aprende a gostar de você, a cuidar de você e, principalmente, a gostar de quem também gosta de você.
O segredo é não correr atrás das borboletas... é cuidar do jardim para que elas venham até você.
No final das contas, você vai achar não quem você estava procurando, mas quem estava procurando por você!

(achados da internet: O pensador!)

Bumba-boi, arraial e boi da cara preta...

Eu achei um monte de piratex que ainda não assisti... Entre eles o DVD do Boi de Morros e de Axixá... Eu prefiro o Boi de Morros, pois os índios fazem academia para fazer uma bela apresentação em suas tanguinhas como eu não me canso de dizer...
Fui assistir uma apresentação de Boi no arraial aqui perto de casa... Só que não gostei!
Não apenas por não ter índios sarados pulando de lá pra cá, passando por nós lindos e tal... Mas... Ok, eu assumo nunca gosto de boi! Ou vocês acham que eu esqueci da ameaça de meus pais em mandar eles me pegarem achando que eu tinha medo de careta?
Enfim... Do que é mesmo que eu tava falando?
Ah, sim, cara, as índias vestiam blusa por baixo. E não aquelas blusinhas só pra esconder os peitos, mas aquelas blusas de esconder o bucho!
Poxa, o bom do Bumba boi é ver aquelas índias mais gordas que a gente, com o bucho maior que o nosso exibindo seus buchos enormes com o maior orgulho, dando um bom exemplo de bem-estar com seu corpo...
Esse ano só tinha índia gorda e buchuda com o bucho bem coberto... Sem graça...

O leitor, o filme... [Spoiler]

Há alguns meses, na cadeira de planejamento estratégico, a gente assistiu o filme O leitor (ainda não entendi porque também... Talvez pra aprender a seduzir um guri de 15 anos [desconjuro!]). Eu fiquei tão empolgada com o filme que a professora me convidou pra fazer a resenha do filme... Mas como?
“Professora, o que eu posso falar do filme? Que ele é só sexo-sexo-sexo?” (Há uma coreografia... Cada vez que falo sobre “sexo-sexo-sexo” eu balanço a cabeça para os lados sexo(lado direito)-sexo(lado esquerdo)-sexo(lado direito de novo)...). Ela disse que eu era muito superficial, que eu apenas vi a questão periférica do filme... Mas tinha algo mais lá?
O fato é que até hoje não entendendo como a Kate (aquela ruiva de Titanic) conseguiu encostar o pé no pescoço na cena de sexo-sexo-sexo...
Também nunca entendi planejamento estratégico, mas abafa...
Enfim, a parte isso (ou graças a isso) o filme é muito bom!
Na verdade, ele conta a história de Hanna Schmitz  que mantém um caso de amor (sexo-sexo-sexo) com um garoto de 15 anos (Michael Berg - que quando aparece mais velho é ninguém mais, ninguém menos do que Voldemort!). O detalhe do filme é que ela transa com o guri e pede pra ele ler um livro... Sempre.
E ele não se apega a esse detalhe, nunca se questionou o porquê desse comportamento...
8 anos depois ela é presa, e no tribunal ele percebe que ela nunca soube ler e que se falar isso para o juiz ela pode ser solta, mas por orgulho e vergonha de dizer que não sabia ler e escrever, ela assume a culpa e é condenada a prisão pérpetua...
Já mais velho, Michael acha suas anotações sobre o julgamento de Hanna e decide, de certa forma, aliviar sua dor com sua leitura.
Então, ele passa a enviar a ela fitas com gravações de todas as histórias do livro.
Hanna se sente motivada e decide aprender a ler e escrever com um método superdoido: ela ouvia o áudio e rabiscava o livro... Enfim, ela aprende a ler e escrever e começa a escrever cartas que não são respondidas...
É bom eu parar aqui pra não contar o final!