Páginas

[Pensamentos soltos] Sobre amizades

Fonte de imagem: Alguém responde...
Fui aos poucos abusando das pessoas, na mesma velocidade e proporção que elas abusavam de mim...
Se fiquei chata por de repente não falar mais das velhas coisas... elas ficaram chatas por ainda falar daquilo que não me interessa mais.
Se eu irrito por ter mudado de ideia, os outros me irritam por preferir ficar parado no mesmo lugar (redundante assim).
Às vezes a gente não nota que não faz nada pela pessoa. Mas aí precisa dela e ela não dá a mão... "Nossa, olha como fulano é... se fosse eu não faria isso, faria assado...".
A verdade é que você nunca esteve com a pessoa quando ela precisou.
A verdade é que você nem percebia que ela precisava... até ela lhe virar as costas...
Somos injustos com os outros... os outros são injustos conosco...
É um ciclo vicioso que ninguém está disposto a ceder.
Muitas vezes fui injusta com os meus amigos nesse sentido... Muitas vezes eu achei que eles estavam sendo injustos comigo.
Acho que hoje meu coração está mais calmo e paciente... Eu cobro menos, não me importo tanto com quem não está do meu lado...
Perdi a conta do número de vezes que as pessoas falavam que tavam mal e eu procurava de meia em meia hora se tava melhor, se tomou algo, se tomou providências pra melhorar...
Eu perdi a conta do número de vezes que eu estive mal e fui acompanhada do silêncio... Palavras e perguntas nunca curaram... mas algumas vezes eu senti falta das perguntas e aí reclamava... O resultado da reclamação era nenhum... Aí voltei pros meus silêncios.
A gente não tem porque forçar os outros a serem amigáveis conosco.
A gente não tem porque insistir em uma amizade que a gente sabe que não existe.
Gostou desta postagem? Então clique no botão ao lado para curtr e Twittar!! Aproveite para nos adicionar no Facebook, seguir no Twitter.

Sobre a louca que escreveu:
Soraya Carvalho Meu nome é Soraya, mas me chamam de Sol! Tenho 31 anos, estou tentando me reapaixonar por tudo o que escolho... Sou formada em Biblioteconomia, recém-convertida católica (ainda que batizada desde 1995), estou aprendendo a lidar com a ansiedade e tenho pensado em tentar falar sobre a luta e o aprendizado diário... Viver requer paciência, e eu não tenho.