Páginas

A falta de um soneto de traição

Hoje acordei com a dor de uma punhalada. Acordei por estar dormindo ainda que acordada... Acordei sentindo falta de um soneto que exprimisse toda raiva que senti ao ver meu trabalho (tão suado e composto de noites mal dormidas) se converter em folhas assinaladas como cópias.
Acordei para o fato que deixei dormir, como aquele em que tive o meu trabalho simplesmente xerocado, e que tive essa maldita xerox entregue a mim, correndo o risco de ser estupidamente taxada de plagiadora cara-de-pau de meu próprio trabalho.
Acordei pro fato de que não posso confiar naqueles que me dão as costas quando preciso e que me abrem o sorriso quando precisam de ajuda.
Acordei pro fato de que entre cobras ainda tenho amigos, mas devo ter cuidado com o local em que piso, e com a mão que estendo.
Um beijo aqueles que merecem minha confiança.

Revolta

Algumas pessoas não entendem porque às vezes me afasto um pouco da biblioteconomia (a turma). Hoje, fui chamada atenção para um fato ridículo: copiaram meu trabalho, do início ao fim, trocando apenas o nome.
Tudo aconteceu porque a estúpida da Soraya emprestou o trabalho dela pra turma ver o modelo e neguim simplesmente copiou tudo.
Última vez que eu tento ajudar alguém, sério.
Venho sendo vítima de sacanagens mil por minha bondade, essa foi a última vez.

Ainda aqui...

Ainda aqui... Esperando que um milagre aconteça e essa preguiça toda vá embora.
Sinto muito sono, mas guardo tudo para mais tarde.
Amanhã será um dia corrido. Dentre outras coisas iniciarei um trabalho para incentivar crianças a ler, sendo que nem eu mesma ando lá muito incentivada para a leitura.
Estava aqui tentando editar mais um vídeo da minha turma, e, é incrível!
Toda vez que boto as fotos nesse computador, já Elvis... O bicho trava todo...
Vou jantar e tentar terminar um livro ali... Antes tenho que terminar o quadrinho... Falando nisso, vou voltar a pesquisar quadrinhos, mas dessa vez pesquisarei bem para que não venha a ouvir que eu nem sei o que quero de novo. Não quero me sentir fraca e burra na frente de ninguém...
Fiquei muito triste com isso... Eu dediquei os meus últimos tempos a algo que não havia sido questionado, e de repente aquilo já não faz sentido para a pessoa que eu achava que fosse me orientar.
Só você vendo pra sentir o que é mesmo isso.
Eu me senti uma retardada... Não sabia como explicar como tal coisa podia se associar a biblioteconomia... Eu não entendia porque o que faz sentido pros outros apenas após dois meses não fez mais pra ele. O mais doido é que eu traumatizei, não vou tentar nem com outros professores!
Vejam só o tamanho do meu trauma!
Rsrsrsrs
A notícia que recebi, tardiamente, é aquela que pedi em meu primeiro email, sob a forma de um “o senhor acha que tem a ver?” e que na época foi-me respondida com um “passa aqui”, seguida de um “você vai ler livro tal”.
Ou seja... Semana chata aquela que começa com a corrida de um trabalho que você não teve tempo pra fazer por causa de provas e outros trabalhos, depois a notícia de mais trabalho, de prova final e de... Uau! O seu tema nada tem a ver com o curso.
Vida chata...
Natal ta bem aí, gente! Me dá uma boa notícia!
Amo vocês!

Fim do dia... Fim de ano...

E o bom é saber que amanhã é sábado... Hoje em dia isso não é sinônimo de descanso, mas é um dia em que eu tenho a tarde livre, a noite descansada... O sono do domingo pode levar mais tempo e eu posso ser eu em curtos momentos (não me peçam para explicar tal coisa!).
Apenas ando cansada com o peso de um período todo nas costas, assim como a tristeza de ver 2 meses de pesquisa perdidos.
Terei que recomeçar minha busca por temas... Terei que ver com mais cuidado pra ter certeza do que quero, mais do que isso, pra mostrar o que quero porque apenas querer não leva a gente a lugar algum...
Sigo cansada para minha caminha hoje a noite, sigo com a esperança de que amanhã estarei com minhas forças renovadas e poderei fazê-los me entender melhor, ao invés de me afogar no desespero constante de não ser entendida.
Já não sei de nada...
Tantas perguntas gritadas na minha cabecinha cansada...
Bom fim de semana a todos... Até semana que vem....
Eu amo vocês!

Pé no chão

Agora sigo de novo na minha busca por um tema para a minha monografia que, apesar de ser daqui a 1 ano e meio, me preocupa mais do que qualquer coisa...
Pé no chão e vou seguindo... A nova onda é não ficar parada... Esquecer os estudos já feitos, todos os contatos e etc...
Rumo a outro tema...
Novas pesquisas....

Mensagem de Natal

O ano acabando e o espírito natalino está aí... Fazendo as pessoas fazerem coisas que todos sabem que só fazem no fim de ano e porque é fim de ano. Como se isso fosse fazer alguma diferença.
Algumas campanhas foram feitas para serem abraçadas durante o ano inteiro. Se existe um pouco de mim que pode ser útil à sociedade, não creio que fazê-la apenas nos festejos natalinos levará alguma alma para o céu.
Minha idéia quando me dispus a escrever essas “mal traçadas linhas”, era desejar um feliz ano novo, feliz natal e etc... Apesar de acreditar em coisas diferentes.
Duas coisas: acredito que o dia de recomeçar não seja o dito último dia do ano, mas todos os dias. Tempo de ser feliz não é apenas ano que vem, mas todo instante. Não sou capaz de dizer apenas que desejo a tua felicidade no ano que agora começa, quero-te feliz o tempo todo, criatura amiga (caro leitor?).
Feliz natal... Feliz o Nascimento de Cristo...
Deus nasce diariamente... Deus nasce no coração de alguém neste instante em que escrevo esta bendita postagem... Comemore isso agora! Não espere o Natal chegar!
Pra quê tantas luzes se no fim apenas lamentaremos o preço da conta de luz?
Pra quê tanta comida, se depois apenas lamentaremos a dor de barriga, se nem mesmo seremos capazes de comer tudo?
No fim das contas não te desejo um Feliz Natal, mas um Feliz Nascimento diário de Cristo no coração de um irmão.
Não te desejo um Feliz Ano Novo, mas uma feliz vida nova!
Feliz decisão maravilhosa de ser Feliz antes de um novo ano começar!
No fim, apenas deixo aquelas palavras que não deveriam deixar nossa boca ao encontrar ou deixar amigos, irmãos, pais, namorados (vale até pra quem tem mais de um)...
Eu amo você muito... E... Do tamanho do Universo!
(também é o toque do meu celular!)

Dormindo em pé

Quase 10 inscrições no mestrado, trabalhos de um dia pra outro, trabalho com prazos razoáveis, trabalhos com longo prazo chegando ao fim e nada feito, provas, reunião da revista chegando, emails para autores, pareceristas e normalização de artigo, e pega livro em biblioteca, e devolve, e vai pesquisar na internet, dá uma conferida no Orkut, olha o blog e apenas sente saudade por que não existe nada pra se escrever lá, e procura algo interessante pra ler entre uma conferida e outra da norma... E acorda cedo, pega ônibus lotado e estuda ali mesmo passando mal. Corre pra não chegar atrasada, mas chega... Assiste aula, mas sai... E corre ao mestrado pra deixar material, corre pro RU e almoça sozinha, e corre pra tomar banho, e corre pra não chegar atrasada no mestrado... E bota nome de autor no Google pra encontrar email sem chatear ninguém, mas chateia e recebe novos trabalhos, e pesquisa um pouco da monografia pra ler depois e não lê... E encaminha email da caixa de entrada que te distrai mais... E volta ao mundo presente e o dia tá correndo, envia emails, faz inscrições, atende telefone, normaliza artigos, trabalhos, currículos, declarações, ofícios, atende aluno, ajuda professor... E o dia vai indo... E procura algo praquele trabalho ou prova que você ainda não estudou. Quando chega o fim do dia ainda tem gente que se ofende por eu estar namorando e não estudando!

Mais uma que me aparece durante a madrugada

Ontem seria o dia em que o Nando escolheu para o nosso casamento... E é tão estranho... rsrsrs
Num sei, me sinto mais unida a ele quando chegam essas datas: mensário de namoro, dia em que nos conhecemos, mensário do 1º beijo...
Acho que sou louca ou romântica demais... Eu gosto de dar importância a essas coisas a toas, que ninguém liga! (nem mesmo ele).
Nos últimos dias eu tô sentindo tanta dor de cabeça, que acaba que em nossos encontros, momentos em que deveria estar mais ligada, e tal, eu durmo... E é tão bom dormir com a cabeça no colo ou no peito dele que eu acabo sentindo falta na hora em que vou dormir de verdade... Acabo não dormindo, acabo passando a noite pensando besteiras...
Queria voltar ao meu tempo de produtividade!
Havia um tempo que tudo era motivo pra escrever textinhos românticos. Se uma folha caia da árvore, eu ficava observando, invejando a beleza e leveza com que ela pousava no chão, e imaginava como seria se eu caísse também (eu não tenho tendência suicida, penso nisso num bom sentido).
Agora estou aqui... Fiz um relatório em menos de 3 horas ontem, não vou emprestar nem enviar pra ninguém da minha turma, pois a última vez que o fiz, fiquei muito insegura, pois todos acharam de fazer observações depois que eu tinha entregado... Sim, isso me aborrece, o momento de ajudar é antes! É quando há tempo ainda para se fazer alguma coisa!
Eu queria voltar a escrever coisas belas... Quem sabe com as férias chegando não me surja um surto de inspiração. Quem sabe eu não dê a louca e passe a escrever poemas que só poderei postar depois dos meus tão sonhados 15 dias de recesso...
Acho que vou aproveitar e escrever o quanto eu odeio natal...
Tanta gente bêbada e cheia de um sentimento lindo, pensamentos saudosistas que só aparece nesse período do ano e se acaba junto com ele.
Ok, vou poupar um pouco o nosso amado português, tão violentado cada vez que resolvo escrever...
Beijo!
Bom fim de semana!

E mato aula pra não matar ninguém...

Sabe aqueles dias em que você acorda de um jeito meio... "não quero ver ninguém", mas o mundo te obriga a ver, por que existem atividades que te darão futuro e uma delas é ver o povo, em sala de aula... e a certeza de que... Opa, tenho uma pesquisa a fazer!
Estou matando aula por uma boa causa!
Tem um pelinho chato no meu pescoço... Só encontro quando não tem nada por perto pra arrancar.
Ah, eu não contei... Eu não tenho pescoço!
Meus olhos doem...

(SEM ASS...Alguma coisa... )

E aqui, continuo eu na minha árdua missão de trazer um pouco de sanidade pra minha vida.
E tudo o que vejo são professores loucos... Com trabalhos loucos, idéias malucas...
Acho que estou aprendendo a ser louca... Eu não sabia o que era isso antes de entrar nessa Universidade!
Tô um pouco perdida...
Tinha coisas inteligentes pra fazer (mesmo sem concordância e com ortografia incorreta..)
Eu volto logo!

Apenas vivo a desesperança de mais uma manhã

Ouvindo “Teatro mágico”, insistência do Guilherme que queria me empurrar RPM, pode? EU, Soraya Cristina, ouvindo RPM? O Guii tem cada idéia...
Semana chata a que passou, cheia dos desentendimentos sem fundamento e dos entendimentos instantâneos. Cheia de atividades e loucuras, discussões que não levam a lugar algum, pazes sendo feitas, novas brigas, afastamento, reencontro... Cheia de minha vida... Vida minha confusa...
Até que esse tal de teatro mágico é bacaninha... Gostei da poesia (ou poema, não preciso lembrar a vocês minha dificuldade em diferenciar as duas cores... Sou “daltônica” para essas coisas... rsrsrsrs) “De ontem em diante”, mais ainda da parte que diz que “todo dia de manhã é nostalgia das besteiras que fizemos ontem”... Cara... Profundo, verdadeiro... Vou procurar a coisa toda e publicar no meu blog...
Cansada de ver que o dia amanhece e meu cansaço não foi... Minha dor de cabeça apenas aguardando o momento exato em que tirarei meus fones de ouvido e voltarei a realidade do mundo cruel... real... certo? Por que não posso viver meus sonhos mais intensamente na realidade maldita desse mundo chato como vivo em sonhos? Por que tenho que acordar todo dia de manhã, justo no momento em que o calor do sol torna meu sonho mais bonito... Confortável aos meus pés que mais uma vez se afastam do chão...
Por que na realidade não posso voar com um impulso como faço dormindo?
Por que me assusto com a queda em uma buraco que não existe no meio da noite? Por que me assusto com a queda? Por que o desequilíbrio do meu pé é perceptivo?
Tô cansada... Tô ficando louca... Tô no mundo de novo... O sol me deu a luz dessa vez...

Pensando e cantando.... Sem MP4!

Impressionante a nossa dependência das tecnologias... Ok, a minha tecnologia é um pouco pré-histórica para muitos de vocês...
Mas hoje não sei sair de casa sem celular... Só quando ando sem bolsa, quando vou pra algum lugar que tem como falarem comigo, por que odeio a impressão de que pareço uma tanajura que o celular no bolso (ou qualquer coisa que vai no bolso) me causa.



Alguns segundos sem ele e parece que tô perdendo alguma coisa, mas quando chego em casa, depois de um dia longe dele descubro que é só uma sensação mesmo... O celular tá lá... do mesmo jeitinho que deixei, sem ligação, sem mensagens, sem lembretes!
Agora meu MP4 não carrega... Tá ele quer carregar quando tento botar alguma coisa, ou tirar alguma coisa dele... Hoje eu perdi uma entrevista importante que passei fome pra fazer...
Eu me sinto cansada...
Tô muito estranha... Sinto a necessidade de um pouco mais de música do que já ouço...
Tenho livros que ainda não li, mas pareço aquela criança que tá com a boca cheia de "plocs" e quer mais!



Penso em tantas coisas e em nada ao mesmo tempo... (O chato do Marquinhos tá mandando eu falar dele)...



Alguém notou que eu tô sem assunto ou é só eu????
Eu tinha algo pra falar, mas vai ficar fora de contexto... Deixo pra outra postagem....
Wuo-ai-ni!