Páginas

Pensamentos soltos - A dor alheia

Fonte de imagem: Pura poesia
As pessoas se justificam demais por erros delas. Dizem que foge de seu controle e tal... não percebem que o que machuca são as palavras e não o resto...
A grosseria do momento, a ação sem preparação.... a presença do desnecessário, a ausência de preocupação com o momento certo.
Sempre se ponha no lugar do outro para tentar entender o que se passa, converse antes de agir... 
Nunca roube do outro o direito de se explicar, de desabafar...
Às vezes só precisamos falar um pouco.
Ontem quando cheguei fiquei conversando com minha mãe, minha tia e minha avó sobre problemas que passei e o efeito disso em mim.
Eu sou muito fechada e escrevo muito no face porque tenho dificuldade pra falar... e ontem eu conversei... conversar é uma novidade.
Encontrar alguém que passou por problemas parecidos/piores que os meus, pessoas dispostas a me ouvir de verdade, e ouvir delas que tudo o que sinto é normal... é tão bom!
Porque parece que isso tudo é passageiro!
Normalmente as pessoas quando vão conversar comigo querem apenas mostrar que o problema delas é pior... como se o meu desabafo fosse uma inscrição pra um tipo de competição "quem tá pior na vida".
Acho graça disso... até em infelicidades as pessoas querem competir....
Mas a nossa dor sempre vai ser maior que a do outro porque é nossa... só nós sabemos, só nós sentimos.
Eu acordar falando de problemas faz com que as pessoas me procurem inbox preocupadas e tal... mas muitas vezes as palavras saem aqui quando passou...
É que, mesmo com os olhos cheios de lágrimas eu apenas observo... e é incrível a reação das pessoas com problemas que não são delas.
Ontem eu conversava com uma moça que trabalha comigo... ela chegou chorando e fez um grande desabafo sobre a vida dela, as dificuldades que ela vinha passando, as dores diárias, os sonhos...
E o que mais me emocionou foi ela falar da filha dela, que a filha dela não era uma dessas crianças mimadas que fazem birra por querer algo que os pais não podem dar.
Eu lembrei de mim e dos meus irmãos... a gente nunca fez zuada ou chorou por querer algo que ia além das possibilidades de nossos pais.
E eu fiquei pensando na filha dela, em tudo o que ela me falou... até que ela voltou de novo chorando... mais uma coisa deu errado.
E a gente fica com o coração na mão, sem saber o que fazer... sentindo culpa por simplesmente não poder fazer nada.
Muitas vezes julgamos as pessoas pela fachada, pelas máscaras que elas usam para se proteger da própria dor.
Tem gente que esconde a própria dor e é julgado... engana tão bem, mas não se engana!
Há quem prefira gritar pro mundo: "vejam! Eu me machuquei! Tenham pena de mim!". E para todos que chegam lembra do "dodói" e pedem atenção e beijo pra sarar...
Há aqueles que sobrevivem com máscaras pesadas... com riso na face que faz todo mundo jurar que ali não há problema, mas tem...
Eu sei disso porque eu sou assim... eu pareço uma louca... quanto mais rio, pior é minha dor.
E o mais engraçado é acharem que pra sua dor existir, ela precisa estar no facebook...
O que não está no face, não está no mundo.
Ontem a noite eu conversava com uma amiga sobre os problemas que eu tava tendo (espirituais, profissionais, emocionais...).
E ela ficou espantada... disse que eu não parecia sentir tudo isso, que ela lia meu blog, as publicações no face...
Ainda há pessoas que acreditam que eu falo TUDO no face...
Eu nunca falei... falo o que sinto volta e meia, mas evito citar o problema.
Algumas pessoas pegam as coisas soltas, juntam tudo e me procuram inbox pra conversar... aqui eu falo das beradas, das partes frias do prato... kkkk
Gostou desta postagem? Então clique no botão ao lado para curtr e Twittar!! Aproveite para nos adicionar no Facebook, seguir no Twitter.

Sobre a louca que escreveu:
Soraya Carvalho Meu nome é Soraya, mas me chamam de Sol! Tenho 31 anos, estou tentando me reapaixonar por tudo o que escolho... Sou formada em Biblioteconomia, recém-convertida católica (ainda que batizada desde 1995), estou aprendendo a lidar com a ansiedade e tenho pensado em tentar falar sobre a luta e o aprendizado diário... Viver requer paciência, e eu não tenho.