Páginas

Retalhos do facebook - Suspiros de um amor morto e outras paradas...[Sem costura]

Fonte de imagem: Meu Tumblr
Hoje acordei inspirada com por uma menina que hoje vive as dores de perder seu primeiro amor... Lembrei o dia em que o meu me deu as costas e postei algumas coisinhas no facebook*...
Como tenho facilidade pra perder o que eu escrevo... TCHARAM! 
Já carreguei no meu peito sentimentos que jurei nunca ser capaz de esquecer.
Chorei por amor, sofri, achei que morreria também...
Sofri decepções que achei que nunca superaria.
Hoje estou aqui pra dizer que tudo passa.
No sofrimento, queremos sempre arrancar o coração do peito e jogá-lo fora. Queremos tudo para agora, já, depressa...
Mas a limpeza completa é feita devagar e quando a gente se espanta nada mais resta daquele amor que seria pra sempre.
Passei madrugadas inteiras chorando... durante o dia sorria. Escondi meus olhos de quem me amava, pois nossos olhos não enganam aqueles que nos amam.
Os lábios podem contar mentiras e apresentar um riso falso, mas nossos olhos não enganam quem nos ama.
Hoje quando vejo alguém sofrendo por amor, eu rio como quem um dia amou pra sempre e esqueceu.
Sorria, tolinha, tudo passa!
Uma dica pra quem quer esquecer um grande amor: faça o caminho inverso.
Quando a gente ama alguém acaba esquecendo de si. O foco é o outro.
Quando a gente quer deixar de amar, o foco é a gente.
Quando você foca em um ponto, o resto fica embaçado, é esquecido.
Se redescubra.
Se ame.
Supere.
_____________________________
* Pra quem gostou das ideias, pode me adicionar no facebook. Dou conselhos amorosos nas horas vagas... Mas nenhum funciona pra mim. https://www.facebook.com/bibliotecaria.escandalosa
Gostou desta postagem? Então clique no botão ao lado para curtr e Twittar!! Aproveite para nos adicionar no Facebook, seguir no Twitter.

Sobre a louca que escreveu:
Soraya Carvalho Meu nome é Soraya, mas me chamam de Sol! Tenho 31 anos, estou tentando me reapaixonar por tudo o que escolho... Sou formada em Biblioteconomia, recém-convertida católica (ainda que batizada desde 1995), estou aprendendo a lidar com a ansiedade e tenho pensado em tentar falar sobre a luta e o aprendizado diário... Viver requer paciência, e eu não tenho.