segunda-feira, 2 de junho de 2014

Todos os sonhos que cultivei...

Fonte de imagem: Voz de um coração que pulsa
E eu, que por tanto tempo escondi meu coração do veneno do amor... Hoje me vejo sonhando... 
Foi um sorriso cretino que me conquistou... foram as palavras cuidadosamente calculadas, foram as horas de insistência para um encontro, para um abraço, para falar o que jamais falaria e ler o que jamais leria... Foi por insistência que me fez crer que não desistiria.
Foram as horas que passei sonhando com seus beijos, com sua mão gelada colada na minha... Foi eu ter conseguido imaginar uma relação sem sexo e aceitá-la assim... E sonhar com isso.
Eram tantas as coisas que foram capazes de explicar que era possível, e tantas mudanças que fiz em mim e em tão pouco tempo para que coubesse de forma mágica nos seus sonhos e na sua vida... que eu ceguei para o provável fim... Ele era lindo em suas brincadeiras, era encantador com suas piadas contadas com tanta seriedade que a dúvida sempre ficou na minha cabeça... Será que ele diz a verdade?
Mas, vacilando, meu coração se entrega, e vacilando ele se declara. É certo o que meu coração sente, mas e o outro? O que vai em seu peito?
Queria tanto a realidade de meus sonhos, em que seu abraço estivesse sempre ao alcance dos meus, e o seu sorriso fosse sempre consolo de um dia bom ou ruim... tanto faz. Eu o quero ao meu lado, e isso é fato. Quero aqueles olhos grudados nos meus, quero a sua companhia e as explicações pra tudo... Como se tudo pudesse ser explicado, inclusive o amor que nasce do nada, de forma improvável... Inclusive as coisas que eu amo e que não sei porque devo amar, mas amoamoamo... Como aquele outro poema de Drummond que um dia eu leria, se não tivesse acabado assim... Tão rápido e sem lógica como começou.

Editado em: 3 jun. 2014.
Gostou desta postagem? Então clique no botão ao lado para curtr e Twittar!! Aproveite para nos adicionar no Facebook, seguir no Twitter.

Quem escreveu:
Soraya Carvalho Meu nome é Soraya, mas pode me chamar de Sol que eu gosto... Acho até que quando as pessoas me chamam de Soraya é um sinal claro de que estão zangadas comigo, sei lá. Só pessoas afastadas me chamam pelo nome... e chefes... e meus pais.. Tenho 30 anos (não parece, né?), muito apaixonada por tudo o que faço (BIBLIOTECONOMIA! BIBLIOTECONOMIA!)... Amante de livros e sentimentos sinceros.

Comente com o Facebook e com sua conta Google: