Páginas

Não Gostei... - Ratatouille (Filme)

Fonte de imagem: Adoro Cinema
Bom, eu tinha ficado de criar uma nova série sobre coisas que eu não gostei (clipes, música, filmes, livros...).
A primeira vai ser Ratatouille que foi o último filme que assisti.
O filme é uma (des)animação que conta a história de Remy, um ratinho diferente dos outros, com um olfato super apurado e um grande amor por culinária. A família de Remy o acha estranho, diferente... e o filme faz entender que essa diferença de Remy com o resto da colônia incomoda muito o pai.
Remy não gosta de lixo, como todos... Remy adora comida fresca, sentir temperos, ler livros, assistir tv e quer ser chef... Isso é uma aberração no mundo dos ratos!
Um dia, em uma de suas visitas a cozinha da casa onde fica a colônia, Remy é descoberto e a sua fuga super atrapalhada (em meio a tiroteios de uma velha louca) acaba entregando a colônia e todos fogem desesperados e Remy acaba ficando pra trás (essa cena me deu pesadelos, porque aqui em casa tem muitos ratos!). 
Um dia, andando pelos esgotos e sob a inspiração do grande chef (morto e herói da culinária francesa)  Auguste Gusteau, ele descobre a cozinha do restaurante do falecido, onde vê o jovem Linguini estragando uma sopa e resolve ajudar. A sopa vira sucesso e Linguini tem que repetir a grande receita, só que não foi ele quem fez, foi o rato.
Daí nasce uma grande amizade entre Linguini e o rato que rende um monte de....Confusão! (É, meio sessão da tarde assim!).
Eu achei o filme muito chato.
Ele não conseguiu me arrancar um risinho (e olha que eu rio até em velório), achei a história tosca, achei muita coisa sem sentido... Não me emocionei... Na verdade, até dormi no meio do filme.
Achei um filme fraco... Sem sal.
Talvez minha visão sobre o filme mude com a história completa (assisti na TV e todos sabem que eles fazem A edição tosca), mas por enquanto é isso.
Gostou desta postagem? Então clique no botão ao lado para curtr e Twittar!! Aproveite para nos adicionar no Facebook, seguir no Twitter.

Sobre a louca que escreveu:
Soraya Carvalho Meu nome é Soraya, mas me chamam de Sol! Tenho 31 anos, estou tentando me reapaixonar por tudo o que escolho... Sou formada em Biblioteconomia, recém-convertida católica (ainda que batizada desde 1995), estou aprendendo a lidar com a ansiedade e tenho pensado em tentar falar sobre a luta e o aprendizado diário... Viver requer paciência, e eu não tenho.