Páginas

Dica de leitura - Harry Potter e a Câmara secreta

Que Harry Potter é bom, ninguém duvida!
Estou relendo a série e me surpreendo cada vez mais com a história. Quanta coisa eu perdi em minha primeira leitura, zezuis!
Harry Potter e a Câmara Secreta é o segundo livro da Saga do garotinho bruxo que tem a testa rachada.
Lendo hoje, eu fico analisando todos os personagens... O ruim é que eu ando tão pé no chão que eu fico assim: "cara, como ele foi tão idiota de acreditar nisso?" ou "porra, o Harry é só um moleque de 12 anos, não posso crer que bruxos de mais de 50 anos podem temê-lo"... Ou, ainda, "Lord Voldemort é tão infantil... Cadê o sentido nele querer matar Harry, cadê???".
A verdade, é que em muitos momentos desse segundo livro as coisas não faziam sentido algum... Eu me questionei demais! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Ok, dá um desconto... Quando eu me desiludi com o amor, eu me desiludi com a magia que fazia tudo isso fazer sentido também!

★ SINOPSE  (via Skoob)
É pura magia! Aranhas gigantes, cobras que matam só com o olhar, varinhas mágicas com defeito... Muitas histórias contribuem para que o leitor se encante com Harry Potter e a câmara secreta, onde ele vai reencontrar todos os pequenos heróis e amigos do livro anterior. Mas isto não será para sempre. J. K. Rowling, a autora da saga de Harry Potter, já avisou que até o sétimo livro da série, que promete ser o último, alguns personagens do bem vão morrer.
A trama de Harry Potter e a câmara secreta começa com o pequeno feiticeiro passando as férias na casa de seus tios trouxas (não-bruxos) e sendo, como sempre, muito maltratado. Seu aniversário de 12 anos é o pior de todos: ninguém o cumprimenta, não ganha nenhum presente, nada. O garoto, órfão de pai e mãe, chega a cantar Parabéns pra você baixinho como se quisesse, ele próprio, provar que está vivo. Para piorar, os tios o prendem num quarto cercado de grades com direito a apenas uma refeição por dia — que ele divide com sua coruja, igualmente encarcerada numa gaiola.
De repente, aparece um carro voador com amigos feiticeiros que livram Harry Potter dessa amargura. Essa é apenas a primeira cena em que Joanne brinca com situações-limite. Todo o livro é permeado de quase-desgraças e é, por isso mesmo, quase impossível parar de ler. A empreitada, dessa vez, consiste em localizar uma câmara secreta e liquidar o monstro que está atacando estudantes do colégio Hogwarts, no qual os pequenos feiticeiros estudam magia e se divertem aprendendo, por exemplo, a transformar as plantas usando adubo de dragão.
Para Harry, garoto sem família e rejeitado pelos tios, Hogwarts é tudo. Portanto, quando colegas, e até professores, começam a desconfiar que ele tem alguma participação nas tragédias que estão acontecendo no colégio, a situação fica mais complicada. Até Hermione, amiga querida de Potter, é atacada pelo monstro e se transforma numa estátua. Só resta ao nosso herói tentar resolver o mistério por conta própria. Mais uma vez, ele enfrenta o terrível bruxo das trevas e... O final é surpreendente e muito divertido.
★ QUOTES  (via Wikiquote)
"Se não nos cuidarmos vamos ter outro monitor-chefe na família. Acho que não iríamos suportar a vergonha."- Jorge Weasley.
"Melhor para fora do que para dentro."- Rúbeo Hagrid, quando Rony vomitava lesmas.
"Pouco mais de um centímetro de pele e um tendão seguram minha cabeça, Harry! A maioria das pessoas acharia que fui decapitado, mas ah, não, não é o bastante para o Sr. Realmente Decapitado Podmore."- Nick Quase Sem Cabeça, fantasma da Grifinória, reclamando com Harry por não ter entrado no clube Caça Sem Cabeça.
"Porque alguém iria querer comemorar o dia em que morreu? Me parece uma coisa mortalmente deprimente..."- Rony Weasley, falando da festa de aniversário de morte de Nick Quase Sem Cabeça.
"Eu gostaria que as pessoas parassem de falar às minhas costas! Eu tenho sentimentos, sabe, mesmo que esteja morta..."- Murta Que Geme.
"Nós lhe arranjamos outro autógrafo. Lockhart assina qualquer coisa que fique parada tempo suficiente."- Rony Weasley.
"Eu nunca pensei que veria o dia em que você nos convenceria a desrespeitar o regulamento."- Rony Weasley, falando com Hermione.
"Sabe de uma coisa, Harry? Se ele não parar de tentar salvar a sua vida vai acabar matando você."- Rony Weasley, se referindo às tentativas de Dobby de fazer Harry voltar à Rua dos Alfeneiros.
"Harry ficou imaginando por que Lockhart continuava a sorrir; se Snape estivesse olhando para ele daquele jeito, Harry já estaria correndo o mais depressa que pudesse na direção oposta."- Narrador.
Fred: "Ah, saia do caminho, Percy. Harry está com pressa."
Jorge: "É, ele está indo para a Câmara Secreta tomar uma xícara de chá com seu criado de caninos afiados."
Rony: “...Você sabe que não temos permissão para usar mágica fora da escola..."
Harry: "Olha quem fala." - Respondeu, olhando para o carro que flutuava.
Rony: "Ah, isto não conta. É só emprestado."
Rony: “Vai ver ele está doente!" - Sobre a ausência de Snape.
Harry: "Vai ver ele foi embora, porque não conseguiu o lugar de professor de Defesa Contra as Artes das Trevas outra vez!
Rony: "Ou vai ver ele foi despedido! Quero dizer, todo mundo o detesta..."
Severo Snape: "Ou vai ver, está esperando para saber por que vocês dois não chegaram no trem da escola.”
"Nunca confie em nada que é capaz de pensar se você não pode ver onde fica o seu cérebro."- Arthur Weasley.
"Estou-me lembrando que disse a ambos que teria de expulsá-los se infringissem mais um artigo do regulamento da escola... o que prova que até o melhor de nós às vezes precisa engolir o que disse."- Alvo Dumbledore.
"São as nossas escolhas, Harry, que revelam o que realmente somos, muito mais do que as nossas qualidades."- Alvo Dumbledore.
Enfim... É isso o que tem pra hoje, gente!
Espero que tenham gostado e... Boa leitura!
Gostou desta postagem? Então clique no botão ao lado para curtr e Twittar!! Aproveite para nos adicionar no Facebook, seguir no Twitter.

Sobre a louca que escreveu:
Soraya Carvalho Meu nome é Soraya, mas me chamam de Sol! Tenho 31 anos, estou tentando me reapaixonar por tudo o que escolho... Sou formada em Biblioteconomia, recém-convertida católica (ainda que batizada desde 1995), estou aprendendo a lidar com a ansiedade e tenho pensado em tentar falar sobre a luta e o aprendizado diário... Viver requer paciência, e eu não tenho.