Páginas

♫Então quem pode, dê comida pra quem tem fome!♫*

Fonte de imagem**: Minha história***
Esse é um trecho de um CD antigo da Turma da Mônica. O nome da música é "Comida pra quem tem fome".
Lembrei dela porque eu conversava hoje com meu namorado sobre a importância de junto com os trabalhos da igreja, tentar fazer trabalhos sociais, caridade...
Não condeno que apenas vai às ruas pra pregar a Palavra, os ensinamentos de Cristo, mas, não seria mais legal se junto com esses ensinamentos a gente pudesse mostrar a prática?
Não seria legal visitar uma família carente e levar alimento e não só a Palavra?
Hoje eu fui a missa e fiquei assim, sabe?
Pensando em tudo... Na vida... 
Eu andei fechada, egoísta, cansada, cegando por causa da mono... Nas últimas 24 horas, eu passei chorando porque eu apaguei sem querer o office do meu computador e... Como fazer a mono?
Me agarrei no meu egoísmo e tava com ele e cheia de orgulho ferido porque meus amigos e meu namorado não queriam dar atenção pra pessoa chata que eu me tornei essas semanas quando sai pra missa...
No caminho aconteceu de tudo... ônibus não veio logo (passei 30 minutos na parada), choveu, peguei engarrafamento por causa de trio elétrico, teve tiroteio...
Quando cheguei a missa fiquei aérea... Precisava conversar, mas só queria chorar... E por ter uma pessoa que eu não conhecia perto, eu me fechei em minha conchinha e fiquei pensando na vida...
Fui juntando peças, o que o padre falou, o que Jayna falou em nossa conversa antes de sair de casa... Em quem eu era, quem eu sou... Depois da missa, sozinha com o Nando, eu chorei o que tinha pra chorar, reclamei o que tinha pra reclamar... E a gente, magicamente, voltou a ser o casal de 4 anos atrás... Debatendo sobre fé, ideologias, crenças... Chamem do que quiser!
E eu falei pra Nando isso... Que os trabalhos da igreja seriam melhores e teriam mais efeitos se fossem além de palavras...
Ir a igreja me faz bem, apesar de não concordar com tudo, não conhecer toda a história e não gostar do Papa atual... Eu gosto de ser católica, apesar de acreditar no espiritismo e preferir o forma silenciosa e discreta dos Adventistas em suas orações... Eu quero ir a igreja, mas quero que as pessoas entendam que eu estou lá por minha fé em Cristo e não em uma religião. Se a Igreja é vista como a casa de Deus, eu quero poder visitar constantemente...
Esse é o post mais confuso que você já leu no blog, eu sei... É que são ideias que ainda estão em construção na minha cabeça...
Eu tenho muita fé em Deus, muita mesmo! Eu quero muito levar a paz que sinto em minhas orações e o amor para o próximo... Mas não quero fazer isso apenas com palavras, quero dar comida pra quem tem fome, agasalho pra quem sente frio... Quero ajudar o físico e o espiritual. Acho que um não tem efeito sem o outro.
Quero que as pessoas que recebem o agasalho saibam que o amor de Deus também é assim, e a oração aquece o espírito... Quero que quem receba o alimento saiba que a fome espiritual pode ser sanada pela fé, pela oração...
Sempre quis fazer trabalhos sociais, caridade... Porque acredito que seja a melhor forma de mostrar que eu aprendi e sei o que eu quero ensinar!
Outro dia vi na parada uma menina que saiu da igreja com o namorado... E ela sentou no chão pra conversar com o mendigo sobre o amor de Deus... E lhe deu uma pequena ajuda de custo pra viagem de volta pra casa e mais um pouco pra ele comer... Essa cena não me sai da cabeça...
É esse tipo de amor que contagia que quero guardar! Que quero ter!
Infelizmente não achei a música da Turma da Mônica pra postar... Mas é isso!
A postagem é sem sentido... tá tosca... Mas abri meu coração!
Façamos a caridade como Cristo nos ensinou! Ajudemos e amemos (essa conjugação existe?) o próximo! Façamos isso sem julgamentos, com o coração puro, como o de nosso Mestre!
Biblicamente falando... I Coríntios 13...
1. Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver caridade, sou como o bronze que soa, ou como o címbalo que retine.
2. Mesmo que eu tivesse o dom da profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência; mesmo que tivesse toda a fé, a ponto de transportar montanhas, se não tiver caridade, não sou nada.
3. Ainda que distribuísse todos os meus bens em sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, se não tiver caridade, de nada valeria!
4. A caridade é paciente, a caridade é bondosa. Não tem inveja. A caridade não é orgulhosa. Não é arrogante.
5. Nem escandalosa. Não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não guarda rancor.
6. Não se alegra com a injustiça, mas se rejubila com a verdade.
7. Tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
8. A caridade jamais acabará. As profecias desaparecerão, o dom das línguas cessará, o dom da ciência findará.
9. A nossa ciência é parcial, a nossa profecia é imperfeita.
10. Quando chegar o que é perfeito, o imperfeito desaparecerá.
11. Quando eu era criança, falava como criança, pensava como criança, raciocinava como criança. Desde que me tornei homem, eliminei as coisas de criança.
12. Hoje vemos como por um espelho, confusamente; mas então veremos face a face. Hoje conheço em parte; mas então conhecerei totalmente, como eu sou conhecido.
13. Por ora subsistem a fé, a esperança e a caridade - as três. Porém, a maior delas é a caridade.
Leia mais em: Bíblia Católica
_____________________________
*Não vou ler a postagem... tô com sono... Então, passa no crivo e processa o que presta dela! =P
Beijos e luz!
** Justificando a imagem usada na postagem (nunca fiz isso antes, mas hoje tem um valor simbólico). Me sinto, agora, criança recém nascida e amada por Cristo.... Embalada em seus braços, em constante diálogo... Como fui em outros momentos... Muito feliz agora.
*** O Blog da imagem é de uma senhora que teve câncer... Conta sua história de superação... Vale a pena!
**** Originalmente publicado em 13 fev. 2013.
Gostou desta postagem? Então clique no botão ao lado para curtr e Twittar!! Aproveite para nos adicionar no Facebook, seguir no Twitter.

Sobre a louca que escreveu:
Soraya Carvalho Meu nome é Soraya, mas me chamam de Sol! Tenho 31 anos, estou tentando me reapaixonar por tudo o que escolho... Sou formada em Biblioteconomia, recém-convertida católica (ainda que batizada desde 1995), estou aprendendo a lidar com a ansiedade e tenho pensado em tentar falar sobre a luta e o aprendizado diário... Viver requer paciência, e eu não tenho.