sábado, 19 de julho de 2014

Tente enquanto puder....

Fonte de imagem: Blog do abelhudo.
 "Ama sempre, mas não te permitas relacionamentos conflituosos sob a justificativa de que tem a missão de salvar o outro, porque ninguém é capaz de tornar feliz aquele que a si mesmo se recusa a alegria de ser pleno".

(Joanna de Ângelis, psicografado por Divaldo Pereira Franco)
Murros em ponta de faca machucam... E o quanto estamos dispostos a fazê-lo?
Quanto vale sacrificarmos nosso amor próprio por um desejo idiota de ser amado por alguém? O amor não deveria sair primeiro de mim e só depois pro mundo? Eu não deveria aprender a me amar e, acima de tudo, me respeitar antes de sair declarando amor por outras pessoas...
Me questiono isso porque... cara, não sei em que pé está minha vida, apenas sinto que cansei., sabe? Cansei do mesmo papo, cansei de foras, cansei de incertezas, cansei de não ser amada...
E lendo essa frase no facebook, juntando com conversas que tive com amigos, fiquei pensando... Até quando vou querer ser a salvadora da pátria entregando-me a relacionamentos em que apenas eu amo, apenas eu luto, apenas eu quero...
Sinto-me cansada de não ter alguém que cuide de mim, alguém que me conduza em conversas leves e certezas... Sabe? Uma pessoa que hoje me encontre com alegria e me trate bem e me diga que sou sua e de mais ninguém... E que amanhã repita isso, assim como depois de amanhã e depois de de depois de amanhã...
Saudade de ter alguém pra chamar de amor...
"Amor" de forma sincera, sem deboches, sem o medo de perder no dia seguinte, sem a insegurança de que talvez não seja...
Sinto saudade de ter uma mão agarrada na minha sempre que eu precise que uma mão me agarre, e um braço me abrace e uma boca me beije... Sinto saudade do elogios pontuais traduzidos em ação... Sinto falta de não ouvir palavras, apenas o silêncio que grita mil coisas em um beijo difícil de transcrever.
Por isso cansei... 
Sinto falta das coisas que ele acha que não pode me dar, e esse achar dele acaba sendo certeza, né? Afinal, quando a gente acredita em algo, acaba sendo real. E se esse algo é a incapacidade de fazer, amar, viver... Bom, acho que vocês entenderam...
É triste, mas é o fim.
Acabou cedo.
Acabou pelo simples medo de que poderia ser bom e pra sempre.
Gostou desta postagem? Então clique no botão ao lado para curtr e Twittar!! Aproveite para nos adicionar no Facebook, seguir no Twitter.

Quem escreveu:
Soraya Carvalho Meu nome é Soraya, mas pode me chamar de Sol que eu gosto... Acho até que quando as pessoas me chamam de Soraya é um sinal claro de que estão zangadas comigo, sei lá. Só pessoas afastadas me chamam pelo nome... e chefes... e meus pais.. Tenho 30 anos (não parece, né?), muito apaixonada por tudo o que faço (BIBLIOTECONOMIA! BIBLIOTECONOMIA!)... Amante de livros e sentimentos sinceros.

Comente com o Facebook e com sua conta Google: