Páginas

Dica de leitura - Divã (Martha Medeiros)


"Toda mulher tem seu dia de confessionário e sempre escolhe a amiga errada para fazer o papel do padre".
Olá, pessoas!
Vim aqui só pra indicar o livro...
Acho que muitos de vocês devem conhecer o filme "Divã", estrelado pela Lília Cabral... Eu tive a surpresa de saber que ele é um livro e, mais que isso, é de autoria da famosa Martha Medeiros... Autora que eu conhecia apenas por citações do facebook (citações fodásticas, diga-se de passagem).
O livro conta a história de Mercedes, uma professora de matemática/artista plástica que começa a redescobrir a vida através de sessões de análise. E a narrativa da história acontece de um jeito, que a gente acaba sentindo que nós somos o Lopes (o analista da Mercedes). Cada vez que ela fala algo pra ele (coisas como "não faça essa cara, Lopes", "eu sei que você pensou isso"), a sensação que dá é que ela está respondendo a nossas próprias reações...
A leitura do livro me fez lembrar, muitas vezes, da minha agenda (saudade de escrever em agenda...).
Nunca tinha lido Martha Medeiros, mas me pareceu tão familiar... Pareceu que eu sempre li ela, sabe... Parece que estamos lendo algo tão íntimo que chega a ser nosso.
Estranho, mas muito gostoso.
Pra quem acha que não vale a pena ler, por já ter visto o filme e tal... A dica é.... Sim, o filme se parece muito com o livro, algumas coisas no filme são até mais divertidas... Mas o livro é fantástico em cada frase.

SINOPSE (via Skoob)
Divã´ conta a história de Mercedes - uma mulher com mais de 40, casada, filhos - que resolve fazer análise. O que começa como uma simples brincadeira acaba por se transformar num ato de libertação; poético, divertido, devastador.
Gostou desta postagem? Então clique no botão ao lado para curtr e Twittar!! Aproveite para nos adicionar no Facebook, seguir no Twitter.

Sobre a louca que escreveu:
Soraya Carvalho Meu nome é Soraya, mas me chamam de Sol! Tenho 31 anos, estou tentando me reapaixonar por tudo o que escolho... Sou formada em Biblioteconomia, recém-convertida católica (ainda que batizada desde 1995), estou aprendendo a lidar com a ansiedade e tenho pensado em tentar falar sobre a luta e o aprendizado diário... Viver requer paciência, e eu não tenho.